domingo, 9 de maio de 2010

Dias das mães


Oi crianças, td bem?
Meu quarto está uma zona pq está com dois computadores (estou passando informações de um pro outro). Mas fazer o que?

Bom, comercialmente falando, hj é o dia das mães. Mas sabemos que não é bem assim, né? Dia de mãe e TODO dia.
Eu fui criada pela minha avó, que me passou valores que carrego comigo. Me vejo nela em muitos momentos.
Ela faleceu há 7 anos.
Tenho minha mãe, que não mora na mesma cidade. Não temos uma relação de mãe e filha, embora a gente se trate como tal, claro.
Mas é diferente.
Tudo o que uma mãe tem que fazer é minha avó quem fez. E mto bem feito.
Lembro que eu sempre ficava nervosa no dia das mães, pq o dinheiro era curto e não dava pra comprar presente pras duas. Então, eu sempre comprava só pra minha avó, mas pedia "vó, não conta pra mãe, tá?".
Eu nem lembrava mais disso, mas há uns meses atrás eu sonhei que eu estava com minha avó, em frente a uma escadaria enorme de uma igreja (que pelo jeito era evangélica), e entrei pra ver. Um cara de terno estava com um monte de botões de rosas nas mãos, e me deu um. Saí, e entreguei pra minha avó e disse "não conta pra ela".
Foi tão nítido, que quando acordei estava com aquela sensação de realmente ter a encontrado, ainda mais por ter "resgatado" algo que nem lembrava mais.
Sofri mto com a ausência dela. Ela era o elo da família, que hj se dissipou muito.
O que me consola é que sei que vou revê-la. Ai dela se não estiver me esperando no dia que eu for pro próximo endereço!

Não serei mãe, já decidi esse assunto. Isso não siginifica que belisco criancinha, que odeio crianças. Não.
Só acho que não nasci pra isso, não tenho tamanho desprendimento.
Acho que filho é opção e não obrigação. Minha família, a pouca que tenho, entende isso, não fica me cobrando.
Quem não entende são os outros...
Mas eu não ligo. Isso já me incomodou, hj não mais. Não fico me justificando, pq não preciso me justificar sobre assuntos que só dizem respeito a mim. Então, mudo de assunto e boa.

Mas, para as mães, blogueiras ou não, que cumprem essa linda missão de guiar outro ser humano nessa vida, meus parabéns!
Admiro-as demais, acho que vcs tem a chance de mudar muita coisa no mundo, apenas ensinando valores como fé, ética, respeito com o outro, com os animais, com a natureza.

Gd beijo à todas!

3 comentários:

disse...

Páaaaaaaaaaaaaaaara tudo
Não acredito q tu está nesse mundo e eu não sabia
Amigaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Lindaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
Sou eu Socorrinha de Brasília
Q máximo te ver aqui, q maravilha
Te vi lá no blog da Déa
Agora n vamos mais perder o contato diário
To mto feliz de te ver aqui
Um cheiro

Andrea Aoki disse...

Oi Lu, brigada pela visita!!!

E que bom saber que temos mais coisas em comuns :)

Entendo bem, eu tinha essa relação com a minha bisá, não tanto com a vó pq a vó era mais com a minha prima, a bisá fazia tudo por mim... tb éramos muito ligadas e sei q um dia vamos nos encontrar tb =D

Eu tb não sei se serei mãe um dia, adoro crianças, mas filho é para sempre, então temos que pensar muito bem mesmo e cada um sabe do seu né?

Espero que vc tenha tido um ótimo domingo, um beijo flor!!!

Beth disse...

Lu, eu acho que se tanta gente por aí refletisse sobre a sua real vontade de ser mãe, de gerar e orientar com amor um filho, para sempre, do que isto envolve tmabém em responsabilidade etc., de um jeito bem sincero, talvez não houvesse tanta criança mal cuidada, infeliz etc. por aí.
Eu sou mãe apaixonada, sempre desejei ter um filho, fui abençoada e o tenho já adulto (26 anos), mas vejo ainda muita gente não abraçando a maternidade como deveria, é uma pena.
Melhor ser uma ótima tia, uma maravilhosa amiga, do que uma mãe ausente, displicente, como há tantas por aí.
Eu acho que você não deve ligar apra cobrança. Se um dia desejar, tenha filhos. Se não, seja sempre uma boa pessoa, como já o é, a sua missão nesta existência não precisa ser, necessariamente, ligada à maternidade não é?
Beijo no coração.